Monte Roraima

Roraima

Um monte cheio de mistérios

Para descrever o Monte Roraima, devemos ir além de suas características geográficas.

O monte é cercado por lendas e mistérios. Considerado sagrado pelos índios do Brasil e da Venezuela, o Monte Roraima tem como seu guardião, Makunaima, um ancestral guerreiro dos índios de origem “Karib”, e concebido por algumas etnias, o deus da natureza.

Se aventurar pelo Monte Roraima é se conectar as história de antepassados locais. É sentir toda a força e imponência que o monte transmite, na forma de sua natureza imponente ou para os mais crentes, da energia que transita ao seu redor. Para alguns, Makunaima é um deus adormecido no monte, que pode despertar a qualquer momento.

Situado na tríplice fronteira, entre Brasil (5% de sua área), Guiana (10%) e Venezuela (85%), o Monte Roraima pertence a uma cadeia de montanhas com idade estimada em mais de 2 bilhões de anos, formada a partir de processos erosivos quando a Terra ainda era um só continente. Tendo formas “planas", semelhantes a mesas - ou Tepuis - o Monte Roraima é o maior da região da Gran Savana - um tipo de cerrado localizado no sul da Venezuela e estendendo-se até a fronteira com o Brasil.

Com seus 2.800 metros aproximados de altitude, e entre 34Km2 de área de superfície, explorar o Monte Roraima é sentir um misto de sensações e reflexões. São obstáculos e paisagens difíceis de descrever em palavras. Formações rochosas, cavernas, cachoeiras e flora e fauna únicas,  tornam as trilhas da região umas das mais bonitas do mundo.

Atrativos

Paisagens que vão além de pedras

Paisagens e atrativos naturais únicos que nos levam a sensações e reflexões sobre a origem de tudo.

El Fosso

El Fosso

Ver mais
Lago Gladys

Lago Gladys

Ver mais
Mirante do Roraiminha

Mirante do Roraiminha

Ver mais
Mirante La Ventana

Mirante La Ventana

Ver mais
Passo das Lágrimas

Passo das Lágrimas

Ver mais
Pedra Maverick

Pedra Maverick

Ver mais
Piscinas Jacuzzi

Piscinas Jacuzzi

Ver mais
Ponto Triplo

Ponto Triplo

Ver mais
Salto Catedral

Salto Catedral

Ver mais
Vale dos Cristais

Vale dos Cristais

Ver mais

O que fazer

Melhor época

Sol ou chuva? Os dois!

O Monte Roraima pode ser visitado em qualquer época do ano, porém com particularidades diferentes.

Em relação ao clima, a melhor época para visitar a região é entre outubro a março. Neste período a estação é mais seca e a probabilidade de chuvas é menor, tornando as trilhas menos escorregadias. Porém, as trilhas nesse período são mais requisitadas, tendo um fluxo maior de visitantes no topo do monte.

Já no período de inverno, as chances de chuva na região são maiores, tornando a subida e estadia no monte mais desafiantes. A procura nesta época é menor e em compensação as cachoeiras estarão com níveis de água mais volumosas, principalmente se você quiser esticar seu roteiro até Salto Angel.

A região do Monte Roraima possui temperaturas média anual em torno de 22ºC durante o dia. Já no topo do Monte, esta temperatura cai, podendo chegar a 2ºC durante as noites. Reforçamos que, independente da época, não é raro encontrar no topo do Monte Roraima condições de nebulosidade associadas a chuvas e ventos, o que mantem a umidade relativa do ar em torno de 80%.

Porém nada impede que estas condições climáticas atrapalhem a sua estadia no Monte Roraima. O clima associado a estas condições, deixam o Monte Roraima com um ambiente ainda mais misterioso!

Dicas e recomendações

Fique atento

A viagem ao Monte Roraima é possível à maioria das pessoas, porém é considerada uma trilha de dificuldade díficil. É preciso ter consciência de que a caminhada é realizada em terrenos muito acidentados, sendo muitas vezes cansativa e de desgaste físico extenuante, o que exige disposição e condicionamento físico em perfeito estado.

Não é necessário adaptação climática. O ponto mais alto do Monte Roraima está abaixo dos 3.000 metros de altitude.

Não recomendamos este roteiro para pessoas que estejam em tratamento médico.

Grupos são formados em média entre 7 a 10 clientes, e nunca excedendo 16 pessoas.

Não há nenhuma infra-estrutura no local.

A hospedagem será em acampamentos e os banheiros serão em barracas-banheiros, tendo uma sacola e cal por cliente. Os carregadores serão responsáveis pelo transporte e dos resíduos.

Os banhos são feitos nos rios e lagos próximos aos acampamentos. Prepare-se para banhos gelados!

O equipamento pessoal é carregado pelo cliente, podendo ser contratado carregadores pessoais a parte.

Documentação

Confira antes de ir

Para entrada de brasileiros na Venezuela, é necessário:
- Documento de Identidade (RG) ou Passaporte válido;
- Certificado Internacional de Vacinação, atestando vacinação contra febre-amarela anterior há 10 dias antes da viagem, emitido pela ANVISA.

Para entrada de estrangeiros na Venezuela, é necessário:
- Passaporte válido;
- Certificado Internacional de Vacinação, atestando vacinação contra febre-amarela anterior há 10 dias antes da viagem.

Participante menor de idade deve realizar a expedição acompanhado dos pais ou responsável com a devida autorização.

O cliente é responsável por estar com toda a documentação pronta para dar entrada em território venezuelano. Os participantes que não estiverem portando um dos documentos válidos para entrada na fronteira Brasil-Venezuela não realizarão a expedição ao Monte Roraima. já que não é permitido a entrada no país sem a apresentação dos referidos documentos válidos.

Galeria de fotos

Somente uma prévia do que você verá.

Gustavo Greggio

Vamos conversar sobre sua próxima aventura

Nosso diretor, Gustavo, já percorreu alguns dos principais destinos eco turísticos do Brasil, como: Bonito, Chapada Diamantina e Chapada dos Veadeiros, Jalapão, Monte Roraima, entre outros. Fora do Brasil, teve oportunidade de viajar para Argentina e Uruguai, explorar um Parque Nacional Americano - Shenandoah, mochilar pelo norte da Itália, e recentemente percorrer 900km completando o caminho de Santiago de Compostela, na Espanha.

Na Entreverdes, terá o maior prazer em te ajudar a escolher o seu melhor caminho para se conectar na natureza.

Vamos conversar